Categoria: filosofia da van

Comida e o passado moderno.

Lembro de quando era pequeno que minha avó passava os pedaços de carne em um moedor preso na mesa de madeira, dava bordoadas em uma massa de farinha após uma colher de cachaça (trazida do alambique do meu tio) e depois de algumas horas e ter envolvido toda a família ela fritava um cesto de pastéis com três clássicos recheios, nata (colhida do leite fervido), queijo (feito pelo vizinho amigo de infância) e de carne (chã, patinho, de porco, nacos de linguiça etc). Não lembro de haver stress, glúten, exploração de trabalhadores, engarrafamento ou entupimento das artérias naquela cesta de palha forrada com papel de pão, porque também não tinha papel toalha. Lembro do processo lento que durava a manhã toda e no final a merecida recompensa com a família e os vizinhos mais chegados contando histórias e estórias em volta da velha mesa regado a pastel caseiro e vinho Cantina de São Roque.

Cresci, fiquei adolescente, e como os outros da minha idade veio o encantamento com um novo estilo de vida onde o consumo de pão de forma, refrigerante em lata, snacks coloridos e comida congelada era moderno, a frente do tempo. Aliás, ficar sem tempo até para cozinhar também se tornou uma “boa novidade”.

Aí o tempo passou, como passou, e nos últimos anos as palavras consciência, saúde, desaceleração, slow food, caseiro, gourmet e natural entraram de vez na rotina daqueles adeptos ao ser moderno e antenado dando um certo nó no comportamento de quem gosta de estar por dentro de tudo. Afinal de contas, essa galera cresceu vendo nos enlatados da gringa um sujeito entrar de carro em um estacionamento e sair de lá com um saco de batata frita.

Ao longo do tempo o cowboy do Marlboro, gordura saturada, farinha e açúcar ganharam o troféu mico dos laboratórios de pesquisas científicas. Com isso, após o acesso a tanta coisa nova, chegada da internet do MP3 e do celular com câmera os já ditos antenados agora preferem comer comida feita na forma que os pastéis da minha avô.

Aí veio a Bela Gil, as cervejas artesanais, os orgânicos, os food trucks, os hamburguers caseiros e gourmets, e a valorização e procura da chamada “comida com alma” que inevitavelmente deu força a essa vontade do “novo consciente”, se me permitem apelidar dessa forma.

Não tenham dúvidas que hoje estamos vendo uma explosão que tá aí para ficar e resolveu marcar ponto nos restaurantes, nos programas de TV, e nas feirinhas modernas que preenchem os calendários de eventos dos grandes Centros urbanos. Lê-se Junta Local, O Cluster e Feira Planetária aqui no Rio. O que prova que a comida deixou de vez de ser coadjuvante para ser atração principal. Vide as quadras das escolas de samba que passaram produzir suas feijoadas com a importância devida a tempos e hoje o feijão das Tias e Vovós da Velha Guarda se tornaram espetáculos concorridissimos onde a música fica em segundo plano. Aliás, no complemento necessário pois feijoada sem samba não convence.

Escrevo isso tudo para dizer que acredito, não sei em quanto tempo, no enterro das grandes indústrias de alimentos e até de outros seguimentos dessa máquina. Ou os grandes empresários revejam seus conceitos de lucro a todo custo ou sua linha de trabalho daqui um tempo será voltada para logística e distribuição das compotas caseiras de Petrópolis ou do refrigerante de morango com gengíbre que é sucesso nas feiras do momento. Quem viver verá.

Ps.: Enquanto estava editando esse post pela nonésima vez lembrei que a malandra Coca Cola e seu poderoso departamento de marketing está convencendo a pop com a campanha “vamos comer junto”, ou coisa parecida, onde sugere que as famílias se reunam em torno da mesa para realizar as refeições básicas do dia a dia. Sei. 

sugestão.

Após a posse do, aparentemente, mais fofo dos papas que se tem notícia, o seu blog favorito divulga uma lista com sugestões ao novo potífice Argentino:

Caro Sr Papa Francisco:

Viemos através deste post, sugerir alguns ítens que com certeza levantará a moral da Igreja Católica Apostólica Romana e consequentemente a do Sr também:

1- A imediata abertura das portas do prédio sede do Vaticano e a derrubada do muro que cerca a região/pais;

2- Imediata divulgação do arquivo da igreja que agora comanda, fazendo com que toda a misteriosa papelada vá para um arquivo público mundial com acesso fácil pela internet e em aplicativos gratuitos para iphone, ipad, rim e andróide;

3 – Que qualquer religioso ou religiosa pertencente da sua Instituição possa amar, namorar, casar ou simplesmente beijar na boca o parceiro ou parceira de sua predileção e desejo (menos os menores de idade, please);

4- Sugerimos um pronuncionamento nas redes de TV, rádio e canais webstream do mundo inteiro. Onde o Sr possa perdoar todas as atrocidades cometidas pela igreja católica ao longo da história aos povos oprimidos, os mais pobres, sentenciados, excluídos, e torturados;

5- Sugerimos também que toda a riqueza concentrada da Igreja seja investida em programas eficazes contra a pobreza nos continentes mais necessitados (lê-se África);

6- Que todas as obras do renascimento trancadas no museu do Vaticano sejam leiloadas. E a renda, sirva de financiamento para pesquisas e descoberta de soluções para o combate as doenças mais graves desta terra;

7- Que em seus discursos o Sr possa sempre lembrar de respeitar as diferenças, culturas, outras religiões e opções sexuais;

8-  Possa incentivar seus padres e Bispos a celebrarem suas cerimônias ao lado do povo;

9- Que seja imediatamente permitido o ingresso de mulheres no Clero e ordenação destas a padres, ou padras (como seria heim?!)

10- Os anéis de ouro, as roupas de veludo vermelho, o dedo apontado condenando a culpa, todo o luxo, “pompas e circunstâncias” sem sentido sejam o mais rápido possível deixadas de lado e que faça prevalecer o carinho a fé e o amor pelo próximo.

Atenciosamente.

divertido.

Deve ser muito difícil trabalha em um lugar assim…

Ou, os colaboradores do maior site de busca da internet fazem figuração quando da visita de algum jornalista e devem odiar esse ambiente parque de diversões.

Estou falando do google e sua nova sede inaugurada em São Paulo no último 15 de janeiro.

Será que é inveja nossa? Bom, vejam as imagens de matéria feita pelo site uol e tirem suas próprias conclusões. Nesse link aqui ó: google

ajuda aqui:

se você tem aquela camisa que não usa mais, pode comprar cinco quilos de feijão, vai a friburgo comprar roupas íntimas, ou comprou uma remessa extra de palmolive? pode entregar uma parte nos endereços abaixo para a galera que, infelizmente, está desabrigada e precisa dessas e de outras coisas:

Escola Municipal Paulo Freire – Rua Soares Miranda 77, Fonseca. Telefone: 2718-5121

Clube Canto do Rio – Rua Visconde do Rio Branco 701, Centro. Telefone: 2710-0072

Colégio Salesiano – Rua Santa Rosa 207, Santa Rosa. Telefone: 3578-9400

Centro Educacional de Niterói (Centrinho) – Rua Itaguaí 173, Pé Pequeno. Telefone: 2611-0000

Colégio Estadual Guilherme Briggs – Rua Doutor Mário Viana 625, Santa Rosa
Telefone: 2711-1966

Quadra da Escola de Samba Acadêmicos do Cubango – Rua Noronha Torrezão 560, Cubango

Escola Estadual Alberto Brandão – Rua Castro Alves, 22 – Fonseca

Plaza Shopping – Rua Quinze de Novembro 8. As doações devem ser deixadas na urna localizada no primeiro piso do shopping

SÃO GONÇALO
Postos de coleta de doações:
ONG Semear: Rua Havana LT 19 QD 50, Jardim Catarina. Telefone: 2601-8032 ou 2601-0059

Igreja de Itaúna (Paróquia Santana): Estrada de Itaúna nº 07 – Itaúna

Escola Estadual Trasilbo Filgueiras: Rua Finlândia s/n – Jardim Catarina.

Secretaria de Desenvolvimento Social: Rua Uriscina Vargas 36, Alcântara, em frente ao 7° Batalhão.

ITABORAÍ – A secretaria de Desenvolvimento Social recebe doações na Rua Dr. Roberto Pereira dos Santos 10, Centro de Itaboraí. Informações: telefone 3639-2080.

MARICÁ – A Prefeitura de Maricá recebe doações de alimentos, roupas e fraldas no Colégio Joana Benedita Rangel, no centro, e na subprefeitura de Itaipuaçu, que fica na Estrada de Itaipuaçu, quadra Am lote 26.

poesia do tempo.

no meio da semana a qual o elemento água está regendo os principais acontecimentos, reveladores, catastróficos e assustadores. seguem imagens poéticas presenteadas pela mesma natureza que está sendo a “culpada” do choro de muitas famílias: