feliz aniversário!

nasci em são gonçalo no bairro de neves e imediatamente fui levado para a casa da minha família, que saída de laranjeiras, já tinha residência fixa em niterói.

desde o fato acima narrado, que recuso-me a informar-lhes o tempo, sou niteroiense. quer dizer, gonçalense criado em niterói.

aprendi a andar, falar, escrever, amar, analisar… tudo isso e muito mais nessa cidade que hoje completa mais uma primavera.

hoje, com essa loucurama do dia a dia pouco fico e participo da vida em minha cidade. levo a ferro e fogo o ditado que aqui é uma cidade dormitório. isso quando durmo… e levo também muito à sério que niquiti é uma cidade provinciana.

aí lhes pergunto: o que é ser provinciano sendo vizinho do rio de janeiro a capital mais famosa deste país?  

enterrados nessa cultura urbana que nos fascina, estressa, e revolta ao mesmo tempo será que morar em uma cidade provinciana ao lado de uma grande e famosa metrópole num é mais vantagem? são perguntas que definitivamente nesse dia de aniversário de 400 e alguma coisa estão fumaçando minha cabeça.

fumaçando mais ainda, quando um querido casal de amigos na noite de sábado em uma rodinha de chopp, pedira para descrever niterói. pois estão pensando em atravessar a poça definitivamente após o casamento. eles moram atualmente na zona norte do rio e tem um filho em idade escolar… pensei com meus botões e minhas fumaças: caraca, terei que vender um peixe que não gosto de comer.  vendi e acho que os convenci.

não é incoerência da minha parte caros leitores, que fique bem claro. o que acontece, que prefiro numerar a partir de agora é isso: 1) esses amigos são muuuito especiais, uma vez morando por essas terras estarão mais perto deste que vos escrevem. mesmo não parando por aqui. é uma coisa referência; 2) como todo e qualquer lugar, nicteroy (como era escrito no passado) tem uma característica e enquadra-se perfeitamente com o que meus brothers estão procurando.

característica essa, informada acima, que não se adequa com o meu atual estilo de vida. tirando as casas dos amigos, família e o supermercado pouca coisa me prende por aqui hoje. meus trabalhos, projetos, etc estão todos no outro lado da poça e cada vez mais atravessando a ponte aérea. como os senhores bem sabem, me sinto fortificado com essa loucura nômade de estar em um lugar e derrepente estar em todos.

niterói hoje não me fascina como antigamente, me dá uma certa fadiga até mesmo sair para jantar em algum restaurante local (diga-se de passagem, aqui tem os melhores e os preços são bem mais convidativos), encontrar as mesmas pessoas, e simplesmente viver em um mundinho (sem tom de deboche...) que não me seduz e não brinda e respeita o diferente e a novidade. as vezes tenho a sensação que a baia da guanabara atrasa o comportamento dos nativos em 10 anos, e quando volto, quando há um reencontro, parece que nada aconteceu de novo. 

mas tenho certeza que é uma fase, é passageiro. niterói oferece de forma poética exatamente aquilo que ela proprõe, uma grande cidade com cara de cidade do interior. por esse motivo, assim que essa fase passar eu volto pra niterói pois sei que ela me receberá de braços abertos. pois um lugar tão simples e simpático como esse, não guardará rancor de um filho rebelde que hoje passa por ela para reabastecer as energias, trocar as asas, e continuar voando em busca de dias melhores.

parabéns niterói, eu amo você!!!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s