Categoria: noite

*super club – set 2.

Na certeza que essa semana será bem animada, segue abaixo sugestão de trilha sonora para os próximos dias.

Vamos lembrar que o *super club é o setor do seu blog favorito responsável por divulgar as músicas que embalam as cabeças criativas e pensantes desta página digital. Segue aí ó:

Toro y Moi – Imprint After
Cass McCombs -Harmonia
Notorious B.I.G. – Hypnotize
Real Estate – It’s Real
Vondelpark- California Analog Dream
Larry Heard – Missing You
John Talabot – Depak Ine
Toro y Moi – Imprint After
Gabor Szabo – Bacchannal
Steve Miller Band – Fly Like An Eagle
Phil Collins – I Don’t Care Anymore
Oslo Swan-Dreamin
Patchwork – Summertime
FallulahBack And Forth the funky lowlives-irreplaceable
The Cinematic Orchestra – To Build A Home (The Grey Reverend Version)
herbert-leave me know
Kid Bombardos – I Round The Bend (Tahity Acoustic Version)
Björk – Venus As A Boy

Anúncios

The Deep Sea.

No último sábado, a equipe do seu blog favorito foi convidada para a última produção da galera do site conceito dirtyblackdisco

Regada com um open bar honesto que fez a alegria e refrescância dos convivas e carregando o nome ultra sugestivo “The Deep Sea”, a festenha rolou em um barco sensacional que partiu da nossa Marina da Glória de sempre.

Com 40 minutos de atraso, por conta da equipe do Movimento Espontâneo, o evento rolou bonito pelo maravilhoso mar que cerca nossa cidade. Passou pela Baia da Guanabara em direção a nossa amada Niterói, e por lá jogou a âncora em frente a Prainha de Piratininga onde após algumas porções da saladinha de salmão marinado a galera pode dar o merecido mergulho na tarde que os termometros marcavam 41º.

Kayo (Califórnia), Count Choc (Chileno dos EUA) e Butter (de NY e o dono da coisa toda) fizeram a alegria da pista, dos nossos ouvidos, cinturas e rebolados com muito house, deep, jazzy, acid, tech e funk house, além de space disco, uk garage e minimal tech. Esses caras, derrepente sem saber, levaram a embarcação para as noites mais nobres do Rio como a *Valdemente, Dr Smith e a recém (talvez, não sei..) finada MOO. Foi incrível!

Como não só de boa música, comida criativa e bebidinhas soltas fazem uma boa festa os convidados foram um especial capítulo a parte. Eram poucos, o suficiente para manter a exclusividade da história. Só amigos, e os que não eram passaram a ser…

Sem carão, arrogância e/ou sofrimento, só alegria, muita alegria. A vibe realmente estava única. No retorno para a Marina todos se conheciam pelo nome e a troca de telefones e experiências foi inevitável.

Para o complete daquela belíssima tarde, nosso novo amigo e causador daquilo tudo o dj Butter e/ou produtor Brian Thomas comemorava aniversário naquele dia. Para homenagear com chave de ouro, um bolo de chocolate partilhado com todos encerrou o melhor evento de todos os tempos.

A história que durou apenas uma tarde foi tamanha especial que até hoje, terça-feira, 26/02/2013, às 23h e 11min nosso pensamento não sai do navegar daquela embarcação e dos belos momentos que ela e a galera do dirtyblackdisco nos proporcionou.

Muito obrigado e Parabéns Brian “Butter” Thomas!!!

Abaixo, segue copy da melhor e mais representativa imagem do últmo sábado, 23/02/2013. Pôr do sol e o kayo deixando as pessoas nervosas de felicidade com seu set.

Imagem

 

Mais um?

Na categoria “lugares que já foram muito bom e agora se tornaram difíceis” lamentavelmente tenho de incluir o tradicional Caneco Gelado do Mário.

Quase um ponto turístico, ou seria patrimônio, da minha Niterói, o boteco que vende o melhor bolinho de bacalhau do universo tá sofrendo de crise de identidade.

O carro chefe da casa está custando a fortuna de R$5,00 (cinco reais), reduziu o tamanho e segundo uma amiga chef de cozinha com o paladar mais apurado o danado do bolinho de bacalhau está recheado com bastante cebola.

Não entrarei no mérito que seus salões estão decorados com peixes de porcelana (?), âncoras de madeira, pinguins (???) e bichinhos de pelúcia de gosto mais que duvidoso… Aquela aura de boteco ficou definitivamente para trás.

Nas categorias “nem tudo está perdido” e “nem toda a mudança é para o pior” levanto da cadeira e bato palmas para os banheiros que estão dignos, amplos e limpos.

No mais, o atendimento continua ruim para manter o folclóre do lugar, a cerveja bem gelada, estão aceitando todos os cartões inclusive vale refeição, e mesmo com todas as ressalvas anotadas acima, que tenho certeza não mudará em nada a fama do Caneco, vale sim a visita. Principalmente daquele leitor amigo que visitará Niterói e tem o interesse em provar os pratos típicos da região.

Mas o bolinho… Realmente não é mais aquele.

Imagem

Caneco Gelado do Mário – Rua Visconde do Uruguai, 288, Centro  Niterói – RJ, Telefone: (21) 2620-6787.

EU QUERO FESTIVAL!!!!!

o conglomerado FARM entrou na febre dos festivais gringos de mala, cuia e sandalinha rasteira. depois do lançamento da sua coleção verão 2012 toda inspirada no tema, a marca que começou em uma barraca na Babilônia Feira Hype (leia post abaixo) é a patrocinadora master de um mini festival, que tá rolando agora (estamos escrevendo este às 01:49 da madrugada) e logo mais no circo voador. local que receberá bandas que tocaram no, tão falado, planeta terra sábado último em SP.

Eu quero Festival é o nome da maratona musical de dois dias, e tem a produção e curadoria dos meninos idealistas e empreendedores do Queremos (esquema que partilha o cachê do artista com o público, para trazer as bandas que nunca, talvez, tocariam por aqui). a essa hora, indie’s boys and girls estão enlouquecidos (as) cantarolando “The Roller” do Beady Eye. banda de um dos imãos brigões da cultuada Oasis.

amanhã, ou, logo mais, a Toro Y Moi é uma das mais aguardadas na lona da Lapa. junto das não menos simpáticas Bombay Bicycle Club e Broken Social Scene.

para dar um gostinho de como será a noite de terça na Lapa nossa de cada dia, segue vídeo de uma apresentação do Toro Y Moi por ser uma unanimidade na redação do seu blog favorito. com vocês, a melhor de todas “Still Sound”. nosso correspondente caprichou, gravou em HD e tudo…

planeta terra, para não falar mais nisso.

nosso grupo de repórteres ficou até altas horas da madrugada (sem referência aquele programa, please) assistindo a transmissão on line do festival planeta terra.

bastante curioso e novo, mas muito novo mesmo para as organizações sabão, as imagens dos shows chegaram a nossa redação via tela do computador. salve a tecnologia e a iniciativa da Terra Networks Brasil!!!

com todas as adversidades que carregam transmissões ao vivo, a do festival em questão como em outras coberturas mundialmente conhecidas  nos trouxe momentos diversos que tentaremos esclarecer abaixo:

KID VINIL – é minha gente, o ex-vocalista do finado grupo dos 80’s Magazine foi, ao lado da igualmente ruiva Bárbara Thomaz, o hostess do programa ao vivo. inegável a biblioteca ambulate que o também ex-vocalista da banda “Heróis do Brasil” do mesmo anos 80 carrega como título ao longo da sua história com a música. mas convenhamos, sua atuação nos estúdios da TV Terra foi confusa, beirando ao constrangimento. foi bastante difícil fazê-lo ouvir o ponto eletrônico, tiveram cenas de comédia pastelão; sem a menor parcimônia, o roqueiro veterano fazia sinais na frente da câmera para seu diretor a todo tempo; e sem contar, o teor alcoólico aparentemente elevado que ficava evidente a cada intervenção do kid. ai que vergonha! para o próximo evento, o site Terra pode deixá-lo em uma cadeira tipo de consultor para apenas discorrer sua respeitada opinião sobre as bandas do line escolhido.

SOM – ao longo do programa, o telespectador desavisado achava que o evento estava acontecendo em um estúdio. o movimento, gritos, palmas, e a platéia acompanhando as suas canções preferidas vinham em determinados momentos que davam a entender ser uma sabotagem do técnico de som em protesto por melhores cachês. muito estralho e ruim o som da cobertura.

UNIFORME – nem a rede globo, quadradona que é, adotou uniforme para seus jornalistas na cobertura das madrugadas do rock in rio. não sei por que cargas d’agua, a Terra achou interessante determinar ao seu figurino a confecção de camisas e batas, de elevado mal gosto, para sua equipe televisiva. logo o seu festival que é indie e alternativo, era a oportunidade do setor de estilo do site mostrar sua criatividade.

CÂMERA DURA – o festival em questão tem como endereço o tradicional playcenter, grande centro de diversões de São Paulo, quiçá do Brasil. o planeta terra assistido por suas câmeras via grande rede, também deixa a desejar beirando a monotomia. tivemos apenas 05 pontos de visualização de um evento cheio de atrações além do seu palco principal. fatalmente, até o mega fã que aguardava ansioso pelo the strockes teve problemas em manter-se a frente do seu PC sem encontrar-se com o mister Tédio. falta de grana e patrocínio para contratação de mais equipamentos e profissionais não foi… teve seus ingressos esgotados em curtíssimas 17 horas e segundo vídeo que corre por aí tiveram nada mais que 15 patrocinadores.

BÁRBARA THOMAZ – fez o papel dela e pronto. simpática, sorridente, fala o essencial, conhece todos em São Paulo pelo nome, e sua exótica beleza brilha em nossa tela. só o figurino, ele de novo, deixou a desejar metendo uma calça cintura alta na garota que deve ter no mínimo 1m 80cm de altura. ficou bem esquizito.

PLATÉIA – muito aborreceu e irritou toda a redação do seu blog favorito, a participação medíocre da platéia nos primeiros shows. ver a nação zumbi se esforçando com esmero no palco e a galera de costas foi o fim. nota 0 (zero).

AFTER – o festival deve sim ter sido bem legal, apesar dos costumeiros problemas que sempre acontecem. mas, legal mesmo deve ter sido o after hours com os bacanas do Groove Armada no mais bacana ainda clube d edge. após encerrar a maratona de shows no parque de diversões, por mais R$50,00 qualquer mortal (com R$50,00 reais é lógico!!!) poderia dançar ao som dessa dupla de djs que já balançou muita festinha do sabão nos anos 90. segue imagem, copy do site terra, da cartarze no clube nessa madrugada:

de todo o modo, o planeta terra veio para ficar e que fique por muito tempo. torcemos para que esse festival com veia alternativa, se mantenha na proposta e melhore cada vez mais sua estrutura física e na transmissão que aqui analisamos. principalmente na transmissão, porque fatalmente o cara que lá não estava fará de um tudo no próximo ano se o que ele vê em sua tela for agradável, divertido e equilibrado. é lógico!