Categoria: culturex

Comida e o passado moderno.

Lembro de quando era pequeno que minha avó passava os pedaços de carne em um moedor preso na mesa de madeira, dava bordoadas em uma massa de farinha após uma colher de cachaça (trazida do alambique do meu tio) e depois de algumas horas e ter envolvido toda a família ela fritava um cesto de pastéis com três clássicos recheios, nata (colhida do leite fervido), queijo (feito pelo vizinho amigo de infância) e de carne (chã, patinho, de porco, nacos de linguiça etc). Não lembro de haver stress, glúten, exploração de trabalhadores, engarrafamento ou entupimento das artérias naquela cesta de palha forrada com papel de pão, porque também não tinha papel toalha. Lembro do processo lento que durava a manhã toda e no final a merecida recompensa com a família e os vizinhos mais chegados contando histórias e estórias em volta da velha mesa regado a pastel caseiro e vinho Cantina de São Roque.

Cresci, fiquei adolescente, e como os outros da minha idade veio o encantamento com um novo estilo de vida onde o consumo de pão de forma, refrigerante em lata, snacks coloridos e comida congelada era moderno, a frente do tempo. Aliás, ficar sem tempo até para cozinhar também se tornou uma “boa novidade”.

Aí o tempo passou, como passou, e nos últimos anos as palavras consciência, saúde, desaceleração, slow food, caseiro, gourmet e natural entraram de vez na rotina daqueles adeptos ao ser moderno e antenado dando um certo nó no comportamento de quem gosta de estar por dentro de tudo. Afinal de contas, essa galera cresceu vendo nos enlatados da gringa um sujeito entrar de carro em um estacionamento e sair de lá com um saco de batata frita.

Ao longo do tempo o cowboy do Marlboro, gordura saturada, farinha e açúcar ganharam o troféu mico dos laboratórios de pesquisas científicas. Com isso, após o acesso a tanta coisa nova, chegada da internet do MP3 e do celular com câmera os já ditos antenados agora preferem comer comida feita na forma que os pastéis da minha avô.

Aí veio a Bela Gil, as cervejas artesanais, os orgânicos, os food trucks, os hamburguers caseiros e gourmets, e a valorização e procura da chamada “comida com alma” que inevitavelmente deu força a essa vontade do “novo consciente”, se me permitem apelidar dessa forma.

Não tenham dúvidas que hoje estamos vendo uma explosão que tá aí para ficar e resolveu marcar ponto nos restaurantes, nos programas de TV, e nas feirinhas modernas que preenchem os calendários de eventos dos grandes Centros urbanos. Lê-se Junta Local, O Cluster e Feira Planetária aqui no Rio. O que prova que a comida deixou de vez de ser coadjuvante para ser atração principal. Vide as quadras das escolas de samba que passaram produzir suas feijoadas com a importância devida a tempos e hoje o feijão das Tias e Vovós da Velha Guarda se tornaram espetáculos concorridissimos onde a música fica em segundo plano. Aliás, no complemento necessário pois feijoada sem samba não convence.

Escrevo isso tudo para dizer que acredito, não sei em quanto tempo, no enterro das grandes indústrias de alimentos e até de outros seguimentos dessa máquina. Ou os grandes empresários revejam seus conceitos de lucro a todo custo ou sua linha de trabalho daqui um tempo será voltada para logística e distribuição das compotas caseiras de Petrópolis ou do refrigerante de morango com gengíbre que é sucesso nas feiras do momento. Quem viver verá.

Ps.: Enquanto estava editando esse post pela nonésima vez lembrei que a malandra Coca Cola e seu poderoso departamento de marketing está convencendo a pop com a campanha “vamos comer junto”, ou coisa parecida, onde sugere que as famílias se reunam em torno da mesa para realizar as refeições básicas do dia a dia. Sei. 

desse eu gostei…

Das estatuetas do Oscar entregues no último domingo a noite, a de Melhor Atriz Coadjuvante, para a simpática Anne Hathaway foi, para nós do sabão, a mais honesta de todas.

Gostamos muito da Anne, olha a intimidade, desde sua atuação em o ‘Casamento de Rachel” (segue copy do trailler by sony abaixo). Filme igualmente simpático que tem bateria e mulatas de Escola de Samba em uma das cenas da loooonga festa de casamento que toma conta de toda a película. Conquistou.

As milhares de críticas acima do seu modelo nude Prada não serão reproduzidas por essas entrelinhas, porque simplesmente gostamos muito da Hathaway e ficamos felizes por demais com sua conquista.

Parabéns garota!

Tenso.

“Vai chegando essa época o coração começa a bater no rítmo do tamborim…”

Certo já ter ouvido essa frase em qualquer peça de marketing daquele supermercado da esquina, mas ó, a verdade do momento é essa: Haja coração e paciência para esperar a data chegar.

Este que vos escreve e toda a redação do seu blog favorito curte carnaval como se não houvesse amanhã, e segue sofrendo neste mês de janeiro como sendo vítima de alguma tortura elaborada com requinte pelo general Pinochet. É aquela, chega o próximo Natal mas não chega o carnaval…

Para aliviar as tensões que nos mata, segue um roteiráço com TODOS os blocos do Rio que chegou em nossa caixa postal oficial. E sabe o que é bom, para acabar de vez com o fogo de gente como a gente, o roteiro começa com desfiles agendados para esse fim de semana. Melhor impossível!!!!

É só clicar no link abaixo e se acabar até a quarta-feira de cinzas. Quer dizer, tem bloco até o “domingo de cinzas”, 16/02/2013.

blocos_de_rua_2013

Música pra cima!!!!

Vamos mudar a vibração dessa coisa?

Sempre perguntam para os colaboradores do sabão qual é a trilha sonora que embala suas idéias e ajudam a manter o ambiente da redação sempre fresh.

Para começar desvendar esse mistério, brincamos que temos um night club, assim mesmo como eram nos 70’s.

O nosso *super club, como é chamado nosso clubinho, não possui noite temática e djs residentes. A medida que conhecemos novas canções anotamos em uma pasta virtual e alimentamos nosso case para o embalo de um dia de trabalho.

Para inspirar sua trip, work, festinha private, aquele jantarzinho ou simplesmente alimentar o ipod com um set que ninguém tem, segue nosso primeiro set list para matar a curiosidade dos senhores:

 Blood Orange – Champagne Coast
Stevie Wonder – Past time paradise
Lockah – The Sour Drink From The Ocean
Bliss – stomp

John Legend – Everybody Knows
Arthur Verocai – Caboclo
Ornette Coleman – Peace

The Raveonettes – Forget That Youre You
Vondelpark – California Analog Dream

Soul Clap feat. Charles Levine – Lonely C

The Rolling Stones – Under My Thumb
Foreigner – I Want To Know What Love Is
Diana Ross – I’m Coming Out
Mink Deville – Spanish Stroll
Kelis – In The Morning
Greg Bouste – Champagne
Para One ft. Jaw – When The Night

CCBB de ressaca!

Ao visitar o CCBB no início da noite de hoje foi inevitável não sentir aquele cheiro estranho de ressaca…

O melhor centro cultural do Rio após receber durante 04 (quatro) meses a bombástica expo “Impressionistas” estava com suas paredes dizendo que debaixo daquele teto todos estão estafados.

Pela primeira vez na história, pelo menos a deste que vos escreve com aquele espaço, senti um certo desânimo naquela rotunda que normalmente nos encanta. Sem apresentações teatrais, sem cartazes da próxima grande atração, sem o tradicional cheiro de café e pão de queijo da lojinha do térreo, sem os casais que costumam fazer pegação naqueles bancos e atrás das colunas romanas, e pasmem, o lugar estava completamente vazio. Sem a consideração de ser férias escolares e dos 20 milhões de gringos que invadem a cidade nessa época do ano…

Confeso que saí de lá triste, sem recarregar a mente com as novidades que alí normalmente se concentram.

O que houve com aquele espaço? O que rolará de novo por lá????

Até a Livraria da Travessa estava com cara de velório. Os vendedores com sua vaidade costumeira e a sempre cara de “conteúdo engajado” de morador de Santa Teresa discorriam um papo brabo de insônia que me fez correr daquele aquário.

Para não correr o risco de sair no 0x0 (zero à zero) enchi a mochila com os folders e mica cards de sempre (foto abaixo) para que minha relação com aquele prédio não fique arranhada por conta da sua má fase.

Imagem