banco.

após sofrer quase toda minha hora do almoço aguardando ser atendido na meca do funcionalismo público abusado, lê-se caixa econômica federal, fui surpreendido, após demorados 45 minutos, por uma simpática e atenciosa funcionária que fez este que vos escreve acreditar que um outro mundo é possível. (essa frase é de algum lugar…).

muito educada, a dita me deu uma pedrada imaginária por acreditar que funcionário público é tudo igual. fiquei até com vergonha dos palavrões internos que soltava em voz baixa antes de ser atendido.

envolvido por tamanha surpresa, o idiota aqui, como de praxe, começa a puxar assunto com a mulher-exemplo-em-atendimento-ao-público: o tempo tá estranho, política economica americana, financiamento de casa própria… até que conversa vai, conversa vem, observo uma barriguinha saliente e solto a máxima:

(…) cara que legal!!!!

pergunta a mulher-exemplo-em-atendimento-ao-público: o que?

eu: quantos meses???

mulher-exemplo-em-atendimento-ao-público: que eu trabalho aqui?

eu de novo: não, seu bebê?

mulher-exemplo-em-atendimento-ao-público: mas eu não tô grávida, tá maluco?

silencio no ambiente. pano branco rápido.

levanto da cadeira querendo ser jogado pra fora pelos seguranças da agência.

ai.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s